Quem sou

A minha foto
Se tudo se fizer ao nada, do nada retornará tudo e milagres desvanecerão se nada se fizer em tudo.

domingo, 30 de abril de 2017

Sopros

Que te sopre o vento
As mil pragas soltas
Deste meu coração

Que te leve o vento
A poeira jazida em mim
Após a nossa morte

Lágrimas não mais tenho
Amor não mais quero
A maldição me impede

Que te leve o vento
Tudo o que aqui deixaste
Entre morrer e a morte

Que sintas esta dor
De um arco-íris incolor
Neste corpo impotente

Lágrimas não mais tenho
Amor não mais quero
A maldição me impede

Que te seque o peito
Que te sopre o vento
Que daqui te leve longe

Que a morte me cure
Amor, que não mais sinta

Que a morte o leve longe

by Johnny de Pina

domingo, 4 de janeiro de 2015

Sensia

Xintadu na maskadjon
Di longi ndjobel
Na un sigundu
Agu parin na boka
Ku gana dal kasu
Si koxa rabida
Dentu mi balansia
Nkumel ku odju
Na vontadi peka
Peli dimeu rapia
Xintidu biran largu
Si formozura raganhadu
Prindadu na bentu
Txusin dentu petu
Nha fomi era grandi
Un dizeju laskadu
Kozedu na nha alma
Sen sal di burgonha
Ki tenti nha koragi
Pidin pan pidil
Si e dan nka ta nega
Mi se dan nta toma
Nta mondu se tres palmu
Na sombra di mi
Na txabeta di nos korpu
Stendedu na djangada
Sima seu ku mar
Un di riba otu di baxu
Ta da tornu rapikadu
Na orizonti nos kuadril

By Johnny Pina

domingo, 28 de dezembro de 2014

Ao largo das lágrimas

No resto dos rastos
Ainda encontro-te
Entre o velho casulo
E a bandeira rasgada
Entre estradas e mitos
De uma vida abastada
Vivida no molde turvo
De pequenos nichos
Do coração dissecado
Na bainha de memórias
Ao largo das lágrimas
Tecidas em miniaturas
Caídas do teu sorriso
E do toque imperfeito
Abandonado no regaço
Frio e sóbrio da pele
Atada em ossos frágeis
Desse corpo que te deseja
Esse que hoje repousa
No sonho do reencontro
Entre a dama e o vagabundo

by Johnny Pina

quinta-feira, 11 de dezembro de 2014

Escravo Promíscuo

O pobre coração adormeceu
Sou de gostar e não de amar
Saudades crescem na carne
E no desejo, morrem na cama

A pele esfriou no baile da vida
Toca-lhe para assim aquecê-la
E depois de a usares a gosto
Deixa que volte a ser morto-vivo

O corpo padeceu em clausura
Os olhos não guardam sabores
Esses forjados na promiscuidade
E no amor insano e inexistente

by Johnny Pina

quinta-feira, 13 de novembro de 2014

Testemunhos da rosa

No outono foram mil
Testemunhos da rosa
Histórias no cantil
Nevoeiros em prosa

Mãos sós e perdidas
As falésias errantes
De vidas esquecidas
Nos braços amantes

Verme inverno, inferno
Enferma estrada crua
Escondido no caderno
O desenho de ti, nua

by Johnny Pina

quinta-feira, 6 de novembro de 2014

Ami Go?

Rabu pasa katxor
Kankan foga tabakeru
Na tera di uns i otus
Nhu nhaku kori di tronu
Nun txabeta "sporádiku"

Mininus nasi ku barba
Kamuga bira prizenti
Nburdiadu ku astusia
Na préga di tudu santxu
Ki ta madorna na kalseta

Ami gó, undi nta ngatxa?

Kombersu sabi e fumu na bentu
Na inu di tudu rastafary
Sen ruspetu pa koz di kalsa
Ki bira amparu di koka
Na mola di tudu pe ta springa

Yah nha cuz. Ami undi nfika?

Feru bedju bira ta kria boka
Sen nuson ta kuspi na karni
"Korpu e di txon, alma e di Dios"
Viaji iternu pa dor ku lagua
Na boka di tudu poti di odju

by Johnny Pina

sexta-feira, 31 de outubro de 2014

Separação

na aba da eterna saudade
nasceu o eco de uma lágrima
e em abraços nulos, partiu
sem deixar uma única esmola

a esperança estendida a meia haste
no luto da melancólica separação
bronzeada na fauna de um adeus
tecida entre soluços moribundos

arrastando as asas dos versos
em estrofes miúdos de nostalgia
pousou a cara no chão, chorando
a cada passo que os distanciava

by Johnny Pina